Design sem nome (3)

Festa de aniversário de 4 pessoas na Praça de Recanto do Sol acaba com a chegada PM e dois baleados

A confraternização acabou com a chegada da Polícia Militar que mandou desligar o som e dispersou a multidão. Houve tiros e duas pessoas baleadas.

Na Praça havia pelo menos 100 pessoas, por volta das 19h00 e a PM chegou com a Força Tática e escudo para parar o som. Houve bombas de gás lacrimogêneo para dispersar as pessoas, tiros, gás de pimenta e duas pessoas acabaram baleadas.

Um dos policiais que estava no local disse que era aniversário dos gêmeos que residem em Recanto, este rapaz teria envolvimento com a criminalidade.

A Polícia Militar informou que houve muitas denúncias por conta do paredão de som que estava rolando e ela foi acionada, chegou e embargou tudo.

“Eles não gostaram e resolveram confrontar com a polícia, eles revidaram com bala e a polícia resolveu revidar com bala de verdade também, de um tiroteio”.

O jornal recebeu diversos áudios de moradores, um deles comunicava em um grupo de WhatsApp que havia uma troca de tiros. “Rapaziada, bala tá comendo praticamente em frente à minha casa, porque os meninos moram perto, o pau tá quebrando e as mulheres estão colocando as crianças na frente contra a polícia e os caras estão enfrentando a polícia, vocês acreditam”, disse um morador.

Outro comentou. “Do nada quiseram enfrentar a polícia, polícia é polícia, os caras não querem respeitar”.

Versão de uma das participantes da festa

Mariana Terra das Neves, 19 anos, estava na festa, ela contou ao jornal que os organizadores teriam pedido a um vereador que ajeitasse um alvará para a confraternização rolar com o paredão de som.

E a festa estava rolando, mas não tinha alvará nenhum. Ela afirmou que durante o dia ocorreu tudo bem, passou uma viatura da PM, mas do jeito que passou foi embora, sem abordagem nenhuma. “Então, continuamos a festa porque na nossa cabeça estava tudo certo com os paredões pra tocar até meia noite, quando deu por volta de 18:30 chegaram vários carros de polícia fechando as ruas, todos apagados, mandaram desligar tudo, eles respeitaram, ninguém colocou mais nada, foram todos os carros que estavam tocando embora, e os policiais ficaram lá todos armados, com arma pesada apontando pras pessoas e pras crianças também, um irmão da Jéssica foi falar com eles, deram um empurrão nele e quase jogou no chão, e depois foram doido em cima deles querendo atirar, correndo no meio da rua, no meio das crianças dando muito tiro, tinha criança no parquinho, no pula-pula, foi totalmente sem necessidade, o irmão dela correu, porque não iria ficar sabendo que eles já iriam direto nele atirando, e o outro o Jeferson subiu o morro com as mãos pra cima e mesmo assim, eles atiraram nele, fizeram covardia com ele, quebraram a perna dele e ainda arrastaram pra machucar mais ainda, deram chute na barriga e na cara dele, bateram até no pai dele que não fez nada, estava só perto olhando pra não deixar machucar muito ele, a mulher e filhas dele tudo olhando eles batendo na covardia, arrastaram ele quase 4 metros de distância, na intenção de machucar mais a perna dele, isso foi revoltante de se ver”, relatou Mariana.

Outra que no local é Jéssica Simões, irmã de umas das pessoas atingidas, ela afirmou que houve abuso de poder por parte dos policiais, uma vez que a Polícia Militar atirou contra as pessoas que estavam na Praça, onde também havia crianças brincando e acabou atingindo duas pessoas, uma mulher na nádega e Jefferson Simões Santos, na perna.

Jéssica Simões alega que o irmão foi baleado na perna e foi arrastado pela PM até a viatura que o conduziu ao Pronto Socorro Médico de Anchieta – PA. Afirma que o socorro deveria ser feito pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – Samu e que na hora o irmão foi agredido pelos policiais e até o pai deles foi empurrado.

O que diz a PM

A Reportagem entrou em contato com o comandante da 10ª CIA Independente da PM, Major Cavalcanti para saber como foi esta abordagem dos policiais que culminou com duas pessoas feridas.

Informou o Major que está apurando tudo que aconteceu na noite deste sábado, em Recanto do Sol e posteriormente terá todos os detalhes. Por hora assegurou que, o que chegou até ele é que estaria ocorrendo um Baile do Mandela com denúncias de som alto. “A Força Tática e uma viatura local teriam prosseguido para averiguar o fato e ao chegarem teriam sido recebidos a tiros por criminosos que estavam no local. Os policiais revidaram e uma pessoa foi baleada e socorrida aparentemente sem muita gravidade. Não houve materiais apreendidos, somente o baleado foi preso”, ressaltou o major.

Convém ressaltar que carros de som têm incomodado muito os moradores em Anchieta, muitas reclamações chegam ao jornal, na semana passada as reclamações eram da comunidade de Parati.

(DA REDAÇÃO \\ Guth Gutemberg)

(INF.\FONTE: Internet \\ Espírito Santo Notícias)

(FT.\CRÉD.: Internet \\ Divulgação)