Design sem nome (1)

Guarapari: Assembleia vai avaliar impactos do engordamento da Praia do Morro

Deputado Gandini, presidente da Comissão de Proteção ao Meio Ambiente, vai ouvir hoje, às 19h, representante da prefeitura, que garante melhorias à infraestrutura e ao turismo com o projeto, e da comunidade, que questiona se a motivação não é a especulação imobiliária

Um dos principais pontos turísticos de Guarapari, que atrai milhares de visitantes anualmente, a Praia do Morro virou alvo de um impasse. A prefeitura quer realizar, por meio de uma parceria com o governo do Estado, o engordamento da faixa de areia de 40 para 80 metros, um investimento de mais de R$ 100 milhões, mas a comunidade se diz contrária e alega que o projeto trará prejuízos para o ecossistema marítimo (peixes) e risco aos banhistas, já que aumentará a profundidade, além de apontar para a especulação imobiliária como motivação.

Para resolver esse impasse, a Comissão de Proteção ao Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado estadual Fabrício Gandini (PSD), vai realizar hoje (22), às 19h, uma audiência pública, na Escola Doutor Silva Mello, no bairro Itapebussu.

De acordo com Gandini, o objetivo é escutar os dois lados: a prefeitura, que apresentou o projeto, e a comunidade, que questiona os seus impactos.

“Vamos ouvir a população, tendo em vista que há uma desconfiança das motivações desse engordamento. Inclusive, tem um estudo que indica que a praia tem aumentado a faixa de areia, e não diminuído nos últimos 10 anos”, apontou o parlamentar.

De acordo com a prefeitura, a intervenção tem como objetivo contribuir para a infraestrutura e a economia pautada na atividade turística. No entanto, moradores questionam possíveis mudanças na beleza natural e no ecossistema marítimo, além da segurança dos banhistas – haja vista que a profundidade do mar deve aumentar abruptamente ao fim da faixa estendida – e também na região, uma vez que o fluxo de pessoas aumentaria significativamente.

Entre as denúncias apresentadas por moradores está a existência de interesses imobiliários por trás da obra, devido ao “novo” sombreamento da praia e mudança da altura máxima das edificações.

De acordo com o parlamentar, o interesse da comissão é ouvir autoridades da prefeitura, do governo do Estado, além do Ministério Público, para entender a necessidade do investimento, que está projetado em mais de R$ 100 milhões.

“Não é um investimento qualquer, é uma escolha pública que precisa ser justificada até pelo valor”, pontuou, lembrando que a reunião é aberta à população.

O Departamento de Edificações e de Rodovias do Espírito Santo (DER-ES) informou que recebeu o projeto da prefeitura e que ele está em análise pela equipe técnica. Mas, ainda sem previsão para publicação da licitação.

Areia

A engorda de uma praia é feita a partir da retirada de areia do fundo do mar e da colocação do material na costa, alargando a sua faixa. É uma prática conhecida, inclusive já feita na praia Curva da Jurema, em Vitória.

No ano passado, a Praia de Meaípe, também em Guarapari, recebeu uma obra semelhante. O local teve sua faixa de areia alargada entre 50 e 80 metros. O investimento foi de R$ 67 milhões e contou com uma parceria entre prefeitura e governo do Estado.

“A audiência vai servir como um momento importante para discutirmos os objetivos. É um projeto da Prefeitura de Guarapari que recebe o aporte financeiro do governo do Estado, uma obra de grande valor e impacto”, concluiu.

(DA REDAÇÃO \\ Guth Gutemberg)

(INF.\FONTE: Internet \\ Capixaba News)

(FT.\CRÉD.: Internet \\ Divulgação)